O décimo sétimo verso

1   Não há reis que lavrem seus muitos campos,
5   Quem, por ventura, colhe aos olhos as cores?
2   como fazem aos montes uns outros os deles
6   melodias, encantos, os prantos e os versos?

3   Não há nas fábricas ou lojas filósofos tantos,
7   Brutos, sensíveis, mesquinhos e acolhedores
4   é também o contexto que fabrica os haveres
8   não vos enganai com estes humanos excessos

9   Culpai, no entanto, pela injustiça os poderosos
13 Mas também perdoai vaidade essa uma acesa
10 a fazer ferver o sangue da vossa classe em luta
14 convocando à guerra, quando, as vezes, não ia

11 Ocupa, pois se são eles a pele, sois vós os ossos
15 Pois não é novidade e já um tal Frederico dizia
12 sois garganta que grita e consciência que escuta
16 em uma palavra: não há uma genuína nobreza

     que não esbarre em uma menor hipocrosia

2 comentários:

  1. MUNDO SAHA

    A beleza do carnívoro
    O esqueleto do leão não interessa
    O que interessa é a carne

    A beleza da morte
    Sua eficiência em curar
    As rugas do tempo
    E as feridas de guerra

    Ainda que cicatrizes
    Belezas da terra
    Vida bela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://lucianoalbamonte.blogspot.com.br/2012/04/dentritos.html

      Excluir

Neste jogo autoral não são permitidos comentários aos textos. Este formulário de comentários deve ser utilizado exclusivamente para postar textos autorais ou de autoria de terceiros, inspirados diretamente na (ou lembrados a partir da) postagem a ser comentada. E mesmo os que não estejam cadastrados como jogadores-autores podem postar textos nos comentários. Contamos com a colaboração de todos para o bom andamento do jogo.