.....

(Texto removido pelo autor)

16 comentários:

  1. SER IN RINGUE

    Como se esquecêssemos
    no fim tudo volta
    a ser o mesmo
    SER IN RINGUE.

    Luta agri-doce
    A palavra na pelve
    A picada no escuro
    E os dois temem
    SER IN RINGUE.

    Como se não querêssemos
    e já estamos
    corpo a corpo
    ruga a rusga
    estraçalhados
    pela serpente do tempo.

    SER IN RINGUE
    Riña de gatos
    Riña de galos
    Riña de línguas
    Filacantos

    SER IN RINGUE
    No começo foi um soco
    e no fim também.

    E como se não esperássemos
    entre um soco e outro
    fomos tomando gosto
    pelo gozo
    no meio
    enfim.





    ResponderExcluir
  2. Entao.. dos dois lados se pode ver o outro
    nada tão constante como sombras
    envolto em pequenos pedaços de mim
    me perco ..olhando o silencio de tua boca
    espelhada
    ejetada
    intensa.....

    ResponderExcluir
  3. "quanto mais louco lúcido estou
    no fundo do poço que me banho
    tem uma claridade que me namora
    toda vez que eu vou ao fundo

    me confundo quando boio
    me conformo quando nado
    me convenço quando afundo

    no fim do fundo eu te amo"

    Delírio Puro - Chacal, 1972.

    _______________________________________________

    Os anjos de Sodoma

    Eu vi os anjos de Sodoma escalando
    um monte até o céu
    E suas asas destruídas pelo fogo
    abanavam o ar da tarde
    Eu vi os anjos de Sodoma semeando
    prodígios para a criação não
    perder seu ritmo de harpas
    Eu vi os anjos de Sodoma lambendo
    as feridas dos que morreram sem
    alarde, dos suplicantes, dos suicidas
    e dos jovens mortos Eu vi os anjos de Sodoma crescendo
    com o fogo e de suas bocas saltavam
    medusas cegas
    Eu vi os anjos de Sodoma desgrenhados e
    violentos aniquilando os mercadores,
    roubando o sono das virgens,
    criando palavras turbulentas
    Eu vi os anjos de Sodoma inventando a
    loucura e o arrependimento de Deus

    Roberto Piva

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Vida Mariposa

    "Morte iluminada às mariposas, vulgo prostitutas" (Romy)

    As mariposas voam em busca de luz
    Artificial ou não
    Os homens são como as mariposas?
    Não sei das consciência das mariposas
    Ilusões nas mariposas são verdades para elas
    E as ilusões nos homens, o que são?
    Verdades travestidas de mentiras,
    Ou quem sabe mentiras travestidas de verdades?
    Tem ele consciência de sua situação?
    Talvez sim, talvez não, tanto faz..
    Certezas não me seduzem.
    Mas quem se preocupa com sedução nesta altura da vida?
    Quem se preocupa com o meu gostar de sedução?
    Eu, eu e mais uma vez eu.
    Gosto da sedução das tardes alaranjadas.
    Gosto da sedução do cheiro do mato cortado (pobre mato)
    Gosto da sedução das espumas na crista das ondas a quebrar.
    Gosto da sedução do rochedo forte que recebe ondas incessantes
    de peito aberto, despido e destemido de suas verdades
    Gosto da sedução, sedução da vida
    Vida inteira, completa, única, minha e de mais ninguém.
    Vez por outra me pego olhado de soslaio, seduzida por outra pessoa...
    Seduções são seduções, nada mais.
    Para que servem então?
    Para nos ajudar a viver mariposas.
    Pensam elas no que fazem consigo ao buscar aconchego na luz artificial?
    Em verdade, elas perdem a vida na ilusão desvairada.
    Já nós, não perdemos sequer o instante da asa perdida da mariposa.
    Somos como os cães que correm para seus donos quando se sentem indefesos?
    Não, não ofendamos os cães.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Vestido Vermelho

    "..meu batom tem fel, tente beijar outros lábios.."

    O vestido vermelho tem como adorno um cinto preto largo
    A ausência da lingerie é percebida no tecido colado ao corpo
    Pernas bem torneadas expostas naturalmente, banhadas ao sol
    Terminam em fino salto a combinar com o cinto

    Na calçada, a beira da pista, postura de descaso com os transeuntes
    Tranquilamente conversa com colega de trabalho
    Em uma das mãos um celular na outra um cigarro
    Ao se movimentar deixa a mostra parte das nádegas volumosas

    Continua sua conversa como se não se importasse com os automóveis
    Em movimento...talvez se parassem poderia se dignar a uma olhada
    Na atitude, alguém acostumada à noite
    Os clientes precisam dela, para ela tanto faz, já possui os fixos

    O cigarro termina, joga ao chão e pisa em cima
    O movimento expõe ainda mais as longas pernas e as nádegas desprotegidas
    Movimenta a cabeça ao vento, olha para o celular
    A noite está somente começando e ela está pronta.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Neste jogo autoral não são permitidos comentários aos textos. Este formulário de comentários deve ser utilizado exclusivamente para postar textos autorais ou de autoria de terceiros, inspirados diretamente na (ou lembrados a partir da) postagem a ser comentada. E mesmo os que não estejam cadastrados como jogadores-autores podem postar textos nos comentários. Contamos com a colaboração de todos para o bom andamento do jogo.